Primeira etapa contemplará profissionais de saúde que estão na linha de frente, idosos que vivem em instituições e seus cuidadores e indígenas.

O profissional de saúde poderá escolher o local mais adequado para receber a primeira dose que será vinculada ao CPF. A segunda dose deverá ser administrada 14 dias após a primeira | Foto: Joel Rodrigues / Agência Brasília

Já estão em solo brasiliense as 106.160 doses da vacina chinesa Coronavac que vão imunizar, em duas etapas, 53.080 pessoas no Distrito Federal. No primeiro momento, serão contemplados trabalhadores da saúde que estão na linha de frente no combate à pandemia, idosos e deficientes que estão em instituições de internação, cuidadores que atuam nessas instituições e indígenas. A vacinação no DF terá início às 10h desta terça-feira (19) em 16 unidades de referência, neste primeiro momento.

“É importante destacar que essas unidades irão vacinar apenas pessoas que integram o grupo de risco. Todos serão devidamente identificados e receberão a segunda dose da mesma vacina que tomaram na primeira vez”, destaca o secretário de Saúde, Osnei Okumoto.

O secretário aproveitou a oportunidade para orientar a população quanto as próximas etapas da vacinação. “Pedimos paciência e tranquilidade para que as pessoas aguardem sua vez para vacinar. A Secretaria de Saúde vai receber a todos com carinho e cuidado”.

As direções dos hospitais públicos e privados, além das gerências das unidades básicas de saúde, enviarão uma lista com os nomes dos profissionais que atuam na linha de frente e serão vacinadas nesta primeira fase. O profissional de saúde poderá escolher o local mais adequado para receber a primeira dose que será vinculada ao CPF. A segunda dose deverá ser administrada 14 dias após a primeira. Os locais de vacinação para esse público serão nas seguintes unidades:

Hospital de Base;

Hospital Regional da Asa Norte;

Hospital Regional de Ceilândia;

Hospital Materno Infantil de Brasília;

Hospital de Apoio de Brasília;

Hospital Universitário de Brasília;

Hospital Regional de Sobradinho;

Hospital Regional de Planaltina;

Hospital Regional de Brazlândia;

Hospital da Região Leste;

Hospital Regional de Taguatinga;

Hospital Regional de Samambaia;

Hospital Regional de Santa Maria;

Hospital Regional do Gama;

Hospital Regional do Guará;

Central de Regulação do Samu (SIA).

Vacina Coronavírus | Foto: Breno Esaki / Agência Saúde

A Secretaria de Saúde reforça para que a população não procure essas unidades, porque neste momento será vacinado somente o público-alvo informado inicialmente.

Para atender os idosos e deficientes que vivem em instituições de internação e indígenas, a Secretaria de Saúde irá disponibilizar seis equipes volantes para imunizá-los sem que haja necessidade de eles irem até um dos 15 pontos.

“Amanhã, no primeiro horário, teremos 15 viaturas nossas para entregar essas doses nos locais de vacinação. E, também nesta terça-feira (19), duas equipes farão a  vacinação nas casas de internação e asilos”, explicou o subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero.

Grupos de risco

O secretário-adjunto de Assistência à Saúde, Alexandre Garcia, esclareceu que a Secretaria de Saúde não retirou os grupos de risco prioritários no início da campanha.

“O Ministério da Saúde entendeu, pelo número de vacinas disponibilizadas, que os idosos que estavam nesse primeiro grupo entrarão no próximo grupo. Os profissionais que estão na linha de frente serão os primeiros vacinados”, explica.

Esses profissionais que integram o primeiro grupo são médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas que atuam nas UTIs, profissionais administrativos que fazem a ficha de atendimento dos pacientes, vigilantes, profissionais de limpeza que atuam em hospitais e UBSs, Samu, bombeiros que estão no atendimento pré-hospitalar, profissionais da atenção primária que estão no atendimento a pacientes com sintomas respiratórios.

Rede abastecida

O secretário-adjunto de Assistência à Saúde substituto, Alexandre Garcia, informou que a rede pública está abastecida com todos os equipamentos de proteção individual para uso dos profissionais de saúde durante a vacinação.

“Estamos abastecidos de EPIs e seringas. Não haverá falta de insumos para aplicação de vacina, nem desabastecimento de oxigênio no DF. Temos mais de 2 milhões de seringas e agulhas em estoque pra a campanha”, destaca Alexandre Garcia.

Após o recebimento da primeira dose, as pessoas pessoas que foram imunizadas devem guardar o comprovante de vacinação para que o profissional de saúde identifique qual vacina foi tomada e que a segunda dose seja do mesmo laboratório fabricante.

Ainda não há previsão do recebimento de mais doses para o DF. A Secretaria de Saúde irá divulgar amplamente, de forma antecipada, a data de início da vacinação para os próximos grupos.

Expectativa de vacinação

O subsecretário de Vigilância à Saúde, Divino Valero, explicou que havia a expectativa de vacinar, em um mês, se houvesse todas as vacinas disponíveis. “Esperamos concluir todo o processo de vacinação até o final do ano”.

Sobre o processo de logística, o subsecretário disse que “o DF possui estrutura e logística suficiente para fazer a imunização em um mês ou um mês e meio. Mas isso depende do quantitativo de doses disponíveis na rede”, ressaltou.

Números

Profissionais de saúde pública: 27.500

Indígenas: cerca de 300

Profissionais de saúde da rede privada:  cerca de 20 mil

Acima de 60 anos e deficientes institucionalizados: cerca de 3 mil

Rede de vacinação: 169 salas de vacina na campanha, sendo 15 na primeira fase

 


Com informações da Secretaria de Saúde